Fadinha com apenas 13 anos torna-se a medalhista mais jovem das Olimpíadas

Por Paulo Tertulino - Blogueiro


Estreante em Olimpíadas, o skate já rendeu ao Brasil duas medalhas prateadas. Uma neste domingo com o paulista Kelvin Hoefler. E a outra no começo da madrugada desta segunda-feira (26) – pelo horário de Brasília. E de quebra foi conquistada pela mais jovem atleta desde os jogos olímpicos de 1936.


A brasileira Rayssa Leal, 13 anos – a Fadinha, conquistou a medalha de prata no skate street feminino. O ouro ficou com a japonesa Momiji Nishiya, 13 anos, e a também japonesa Funa Nakayama, de 16, levou o bronze.


Fenômeno -Nascida em Imperatriz, no Maranhão, Rayssa é um verdadeiro fenômeno do esporte. Desde 2018, com apenas 11 anos, já integra a seleção brasileira e é vista como uma das melhores do mundo na categoria street, dona de um talento raro.


A primeira vez que ela subiu em cima de um skate foi aos 6 anos, quando seus pais lhe deram o equipamento de presente. Um ano depois, já estava competindo. O mais impressionante é que ela aprendeu tudo por conta própria, sozinha. A garota assista a vídeos dos seus ídolos no celular e depois ficava repetindo insistentemente as manobras.


Aos 9 anos, Rayssa já não competia mais entre as crianças para disputar campeonatos na categoria geral. Passou, então, a levar uma vida de "adulta", treinando três horas todos os dias. Tanto esforço deu certo e agora a pequena Rayssa Leal é medalhista olímpica.