Em Cianorte: um travec* e seu namorado brigaram com socos e pontapés

Por João Paulo Dantas - jornalista, especialista em audiovisual e cinema.


O título desta manchete foi a de um vídeo que viralizou em grupos de Whatsapp em Cianorte esta semana. O motivo da briga eu não sei, e tenho raiva de quem não sabe que transfobia é crime.


Hoje é dia 29 de janeiro, dia da visibilidade trans no Brasil. Não sou o que concorda com o nome, apesar de não ser transexual. Sou o que vê que os transexuais no Brasil e no mundo seguem invisíveis, o que eles fazem é resistir ao ódio e lutam apenas pela sobrevivência. Homens e mulheres trans seguem esquecidos e deixados de lado nas políticas públicas nos âmbitos federal, estadual e municipal.


A data passou a ser comemorada neste dia pois, em 29 de janeiro de 2004, um grupo de mulheres trans, homens trans e travestis foram até Brasília para o lançamento da campanha "Travesti e Respeito", no Congresso Nacional. Avançamos.


Você conhece uma pessoa trans? Você é amigo de uma pessoa trans? Você dá emprego para uma pessoa trans? Você trabalha com uma pessoa trans?



CORRENTES DE WHATSAPP


Foi com um pouco de indignação que vi este vídeo cianortense viralizar pelas redes sociais. Me deixou um pouco perplexo. Não se questionou em nenhum momento o motivo da violência - violência esta que as mulheres e homens trans sofrem toda hora neste país. O Brasil é o país que mais mata LGBTs em todo o mundo. 1 homicídio de pessoas trans a cada três dias.


ALGUÉM AVISA


Assim como o brasileiro teve que aprender, infelizmente a duras penas, que racismo é crime, a LGBTfobia também foi criminalizada. Não por iniciativa do Presidente da República (risos), muito menos pelo Congresso Nacional (choros). Em 2019, coube ao Supremo Tribunal Federal permitir a criminalização da homofobia e da transfobia no país.


Conforme a decisão da Corte:

"praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito" em razão da orientação sexual da pessoa poderá ser considerado crime; a pena será de um a três anos, além de multa; se houver divulgação ampla de ato homofóbico em meios de comunicação, como publicação em rede social, a pena será de dois a cinco anos, além de multa; a aplicação da pena de racismo valerá até o Congresso Nacional aprovar uma lei sobre o tema.


VULNERABILIDADE


Ademais, particularmente ando vendo muitas mulheres trans em Cianorte com alta vulnerabilidade: pedindo dinheiro e comida pelas casas. Quais as políticas públicas para as pessoas transexuais em Cianorte?


EU VOLTO


Hoje é dia da visibilidade trans, como já dissemos no início deste artigo. Porém, voltaremos muitas vezes para tratar deste assunto.


72 visualizações
banner_anuncie (1).png