Duplicação da Avenida Makio Sato é necessidade urbana. E o custo ambiental disto?

Por Paulo Tertulino - Blogueiro


Com o crescimento da cidade a duplicação da Avenida Makio Sato tornou-se uma necessidade. A via liga o perímetro central da cidade a 34 bairros. O detalhe é – ela passa em trecho do Parque Cinturão Verde, uma das mais reservas florestais mais importantes

do Paraná.


Como a Câmara de Vereadores aprovou e a Prefeitura assinou contrato com a empresa vencedora da concorrência. Nesta terça-feira (24) os alambrados começaram a serem arrancados às margens da mata.


Não se discute o valor da obra e nem sua importância para aquela região da cidade. O que se pergunta é – e o custo ambiental disto? Quantos metros a duplicação vai avançar mata adentro? Quais variedades de árvores serão dizimadas? Essas mesmas variedades serão repostas em outros pontos do Cinturão Verde, principalmente em áreas degradadas?


Lembre-se que este projeto de duplicação foi embargado pela Justiça no mandato anterior. O atual mandatário fez algumas mudanças e ampliou o seu percurso.