Copa da América vira calo político com afastamento do presidente da CBF

Por Paulo Tertulino - Blogueiro


Em poucos dias a realização da Copa América passou a dominar o noticiário. Jogadores que atuam na Europa se recusam a disputar a competição. Tite, o técnico, passou a ser alvo de bolsonaristas. E agora mais esta – o presidente da CBF, Rogério Caboclo foi afastado da presidência da entidade acusado de assédio sexual.


Caboclo é bolsonarista de carteirinha. De onde ele iria tirar R$ 12 milhões para calar a boca da funcionária da CBF para que o caso não viesse à tona?


Os grandes patrocinadores da seleção já ameaçaram – se o Tite for demitido retiram a grana da jogada. Os bolsonaristas querem Renato Gaúcho, defensor de carteirinha do presidente. Coisa que os patrocinadores não querem.


O poder de fogo dos financiadores é grande. Na grana e na política. O fogo no parquinho já começou.