Câmara Municipal de Cianorte-PR: o legado

Por Ana Floripes - Professora


Reunião na Câmara Municipal de Cianorte - 17/05/2021 - JB Miotto, com o celular. Ele faz parte da Casa de Lei. Sua participação é assídua há anos.


Há dias, tenho frequentado a Câmara Municipal de Cianorte, após meu horário de trabalho, com o objetivo de orientar ações referentes ao tema, Autismo. Ao chegar, Franciele, a recepcionista, com seu sorriso acolhedor me cumprimenta, em seguida, digo: “Vim bater o ponto”. “Quais Vereadores e assessores que se encontram, no momento?”. Assim que responde, digo: “Hoje falarei com três deles”. Às vezes, os nomeio e rapidamente se apresentam. Ou seja, todos disponíveis e preparados para ouvir, acolher a demanda proveniente da população e rapidamente, dentro das possibilidades, as colocam em prática. É possível também observar as funcionárias Maria de Lourdes e Sara trabalhando com alegria. O Oscar, Diego e o Wagner, tão prestativos, entre outros(as).


Ontem, fiz questão de participar da Reunião no espaço físico da Câmara Municipal, primeiramente, pelo fato de que mencionariam a indicação do Projeto de Lei sobre o Censo de Pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), bem como dariam prosseguimento a outras atividades acerca do tema. É fato, que a Lei Federal nº 13.977, de 2020, também conhecida por “Lei Romeo Mion”, assegura atenção integral, pronto atendimento e prioridade no atendimento e acesso aos serviços públicos e privados, maiormente, nas áreas da saúde, educação e assistência social. Entretanto, há uma longa caminhada para concretizá-la, tendo em vista a fragilidade de práticas atitudinais referentes ao assunto.


A palavra política tem sua origem na Grécia, “polis”, que significa cidade. As ações deviam normalizar a convivência entre seus habitantes. No livro “Política”, de Aristóteles, define o conceito de política como meio de alcançar a felicidade dos cidadãos. Desse modo, o governo deve ser justo e as Leis respeitadas. Contudo, não basta que tenhamos boas Leis, se não forem executadas.


Sou Professora de História, Geografia, Educação Especial e especializada em Geografia e Meio Ambiente, Pedagogia Escolar e Educação Inclusiva. O conhecimento científico associado à empatia e a experiência de sala de aula, com o tempo aprimora o nosso campo de observação. Mas, o conhecimento só torna-se válido quando transforma o meio de forma positiva em nome do bem comum, assim sendo, pode ser compartilhado.


Ontem, 17 de maio de 2021, na sessão da Câmara Municipal, vi algo que me surpreendeu. Um grupo de pessoas escolhido pela população para representá-la. Há algum tempo temos tido contato com o Presidente daquela Casa de Lei, Sr. Wilson Pedrão e seu assessor, o Sr. Diogenes. Ambos não têm medido esforços para impulsionar a causa do Autismo, no Município. O mais interessante é na forma de atuação, os demais Vereadores e assessores também foram envolvidos na causa, isto é, na força-tarefa. Atualmente, vários têm abraçado a causa, entre eles: o Leonardo, Adésio e Lucimar. Aos poucos, vamos conhecendo todos.


Pois bem, a respeito de ontem, vi a atuação dos Vereadores e de seus assessores, ao vivo. Estavam em sintonia! Todos atentos. Cada qual defendendo suas indicações com foco na dignidade humana, na justiça social e ambiental. Não havia “estrelismo”. Estavam legislando pela cidade. Eles se parabenizavam pelos acertos, como dissessem: “Siga em frente. Esse é o caminho. Devemos fiscalizar. Esse é o nosso papel.” Foi nesse cenário, que defenderam parte da população residentes em loteamentos “clandestinos”, de uma forma em que a palavra dignidade humana se apresentou acima de qualquer outra situação, por meio da frase: “Ela precisa de água e energia elétrica”. Vale ressaltar que, há muitos casos, de pessoas foram ludibriadas e inclusive têm escrituras públicas registradas em Cartório de Imóveis. Somente após, souberam que tratavam-se de loteamentos “clandestinos”. Como pode ter acontecido isso? De quem é a culpa? Ademais, no mesmo panorama, defenderam o meio ambiente, a educação, lamentaram as perdas recentes de pessoas queridas de nossa comunidade, convocaram a população para o enfrentamento por meio da Campanha sobre o combate ao abuso sexual de crianças e adolescentes, vestiram camisetas com o tema do Maio Laranja