A TRISTEZA DURARÁ PARA SEMPRE?

Por Ana Floripes - Professora



“Eu odeio o meu jeito. Só penso em coisa negativa e tudo que faço é diferente da maioria das pessoas. Penso em coisas ruins e muitas vezes feias que não prestam. Tenho ódio de mim. Sou burra e, além disso, quando coloco uma coisa na cabeça e que não se realiza na hora não consigo pensar em outra coisa. Sou muito ansiosa. A minha cabeça fica cheia de coisas e não consigo pensar numa coisa de cada vez. Eu não sou normal, professora, estou ficando louca. Aliás, muitas pessoas me chamam de louca. Quanto surto na escola, sinto vergonha de voltar no outro dia. Será que um dia serei 'normal', professora Ana?". Lívia Monteiro, 13 anos.

O artigo é de autoria do meu querido amigo Dr. Jorge Marcio Andrade, um grande líder na luta antimanicomial.


VAN GOGH - A CONSTRUÇÃO DE UMA A-NORMALIDADE


http://infoativodefnet.blogspot.com/2011/10/van-gogh-construcao-de-uma-normalidade.html


La tristesse durera toujours" (em francês, "A tristeza durará para sempre" frase que marca seu último suspiro nos braços de seu irmão) O Cão de Van Gogh é amarelo. Amarelo como os seus girassóis, como seu trigal e os corvos, como o início de seu crepúsculo em Arles. É o amarelo de uma dor profunda e inesgotável de quem se tornou o maior mito de loucura da história humana. A sua obra é transversalizada pelas idéias preconceituosas sobre os loucos, mas não sobre o seu sofrimento ou sua alienação pela Sociedade e seus a-normais. Nunca é tarde para a construção ou desconstrução de um mito. Nunca é tarde para que a história traga novas luzes ou sombras sobre os homens. Um novo estudo sobre sua vida pode trazer um homem genial para a ''claridade'' ou para o enevoamento? como se fôsse possível obscurecer um pintor que amava a luz. O homem "depressivo" que nasceu e logo recebeu o mesmo nome de seu avô paterno e também daquele que seria o primogênito da família, morto antes mesmo de nascer exatamente um ano antes de seu nascimento: Vincent Willen Van Gogh. Esta pode ter sido uma de suas primeiras atormentações que sedimentaram sua genialidade e vida. Eu sou o passado morto e não o futuro que a Arte me revelou. Antonin Artaud o denominou ''o suicidado da sociedade'' em seu brilhante texto. Ele é VAN GOGH (1853-1890). O holândes que foi denominado de ''louco'', "esquizofrênico'', ''epiléptico'', "drogadicto'', "alcóolatra", "maníaco-depressivo'' e, finalmente "suicida''. Hoje ele é um dos mais utilizados exemplos pela indústria farmacêutica psiquiátrica como transtorno bipolar. Tornou-se, como qualquer ícone ou mito, um ''brand sense'', uma peça de marketing ou de propaganda. Hoje é um símbolo de ''riqueza'' quando um Banco o torna uma ''conta para privilégiados'' clientes. Ele continua "vivo" embora sempre renovadamente suicidado pelo consumo de sua arte impressionante e pós-impressionista. Em 29 de julho de 1890, em Auvers-sur-Oise, na França, faleceu de um agora "suposto" tiro no próprio peito. Termina nos braços de seu irmão após agonizar por dois dias dizendo: "a tristeza durará para sempre". Conforme a descrição que conhecia primeiro, em brilhante texto de Juan Antonio Vallejo-Nágera, um psiquiatra espanhol, que com seu Loucos Egrégios, escreve sobre o Crepúsculo deste artista. Ele me apresentou as Cartas a Theo, donde iniciei meus questionamentos sobre a patologização de Van Gogh. São 821 cartas que muitas vezes transpiram mais lucidez e sofrimento do que o que chamamos de loucura. Hoje, dois escritores premiados pelo Pulitzer trazem uma nova versão que poderá mudar a visão patologizada e anorma deste mestre dos impressionistas. Segundo Steven Naifeh e Gregory White Smith em nova biografia livro "Van Gogh: The Life" (Van Gogh: A Vida, em tradução livre); para eles o pintor foi vítima de uma bala perdida de um suposto duelo de dois jovens que se vestiam de cowboys. A arma que matou Van Gogh nunca foi encontrada, eis o ponto de partida para esta pesquisa e livro destes autores. Segundo a matéria jornalística publicada: "Nesta nova biografia, os autores escrevem ainda que a família de Van Gogh terá tentado internar o pintor, que sofria de epilepsia, num asilo. Steven Naifeh e Gregory White Smith defendem que Van Gogh viva sob grande aflição e que terá sido a mistura de sentimentos, entre a mania e a depressão, que terão provocado a sua epilepsia." Estas aflições já o haviam atormentado antes, já se expressavam em sua arte e nas cartas dirigidas ao irmão Theo, seu provedor e protetor. Para quem se lamentava que este " tenha que viver como um pobre para me sustentar''... Era um homem que se atormentava ou era atormentado na pobreza? Ambas as situações, vivenciadas por ambos e sua família, demonstram que a época que viveu ajudou muito a sua exclusão social. Após alguns incidentes em Arlés, sul da França, escreveu para Theo: "Escrevo-lhe de plena posse de meu espírito e não como um louco; como o irmão que você conhece... Pessoas daqui enviaram ao prefeito (acho que se chama Tardieu) uma nota, com mais de 80 assinaturas apontando-me como um homem indigno de viver em liberdade ou coisa semelhante... Já estou aqui há muitos dias, debaixo de chaves, ferrolhos e guardiões, no manicômio. Se não contivesse a minha indignação, julgar-me-iam um louco furioso..." E fala de sua espera paciente pela ''liberdade'', uma liberdade que, solitário, só conhecia com pincéis, tinta e terebentina, ao ar livre. Ele, em pleno século das incipientes internações, continuou motivo de ''tratamentos'' posteriores, como os que foram realizados pelo médico Dr. Gachet, em Auvers-sur-Oise, a quem retratou no período em se internou "voluntariamente", após considerar em carta para Theo: "Acho que está tão doido como eu". Em estudos posteriores sobre a vida e a obra do pintor atribui-se ao médico algumas dos seus sintomas. Dr. Gachet é retratado com uma planta em sua mão: a digitalis. A mesma que pode ter contribuído para algumas das alterações psíquicas vivenciadas como efeitos colaterais deste tratamento. Trago, então, novas tintas para o quadro "patográfico" de Van Gogh. Primeiramente evoco, como transversalidade histórica, o fato de ser no período de maior criatividade e também de ''loucura'' de Van Gogh que se construiu, conforme Foucault, a articulação do modelo asilar. Nascem os primeiros espaços de segregação dos que, como Van Gogh, sofressem de "Loucuras". E isso se dá exatamente como nos mostra Foucault: "...o asilo (a internação) tinha se constituido no prolongamento do modelo familiar - o asilo do século XIX funcionou com base no modelo de um micropoder próximo do que podemos chamar de poder disciplinar...- creio que podemos situá-la entre 1860-1880 - e é simplesmente a partir daí que a família pôde se tornar modelo no funcionamento da disciplina psiquiátrica, mas sobretudo pôde se tornar o horizonte e o objeto da prática psiquátrica." (pág. 153- O Poder Psiquátrico) Reinvindico a atualização de uma construção de a-normalidade para os Van Goghs nesses tempos atuais. O que estamos assistindo, ou melhor teleolhando, é a afirmação de que na Era ou Idade Mídia todos podem ser transformados em ''a-normais''. Estamos no tempo em que um artista com TOC pode propor uma ''arrumação'' de grandes artistas e sua obras. Para que a sociedade disciplinar, de Foucault, dê passagem à Sociedade do Controle a que nos estamos acostumando, é preciso ''deixar o mundo (globalizado) mais arrumado''. Há uma revoada de corvos políticos sobre o trigal que não poderemos modificar. As massas, seus dessaranjos e dessassosegos, teimam em se indignar com tanta necessidade de ordem e progresso à custa de muitas misérias. Penso e repenso sobre Van Goghs nesses tempos de tantas e tamanhas movimentações da Dona Morte em busca, obssessivamente, da Ordem e do Progresso. Mata-se um ditador na Líbia enquanto, sob o mesmo solo árido e fecundo da África, alguns mercenários brincam de cowboys. Matam e violentam, quaisquer seres vivos considerados Vidas Nuas, na Somália ou outros solos que tragam sangue e petróleo misturados. Genocídios tornam-se naturais e banalizados, dizem que se constroem novas democracias, e também, por que não novos mercados. E, nesse cenário em ruínas, são pintados os quadros neo-capitalísticos. Portanto, os que procuram um diagnóstico retrospectivo do pintor precisam estar alertas para as barbáries que se gestam nos nossos corações solitários e ações coletivas. Podemos continuar acreditando que a melhor solução para as loucuras individuais seja ainda a ''grande internação'', mas nos esquecemos de colocar antipsicóticos ou antidepressivos na ''caixa d'água'' dos que lubrificam, com miséria, guerras e fome, as máquinas de destruição. Ainda não li o novo livro biográfico reformulador da morte de Van Gogh. Espero que o traduzam e possamos compará-lo ao texto de Viviane Forrester. Ela, na minha compreensão, já estava atravessada pela paixão das cores do holandes maldito. E será sempre um contraponto às formas de captura das biografias no nosso hipercapitalismo e pós-modernidade. Foi ela que nos anteavisou sobre o Horror Econômico, ao afirmar que "os ricos não precisam mais dos pobres''. Uma Europa que hoje assistimos em sua derrocada econômica, e produzindo no Velho mundo as mesmas massas de desfiliados que ajudou a produzir, no passado, em nosso Novo mundo latino-americano. Um bom exemplo, para nossa reflexão, é quando um banco espanhol nos propõe que façamos os ''investimentos Van Gogh". Eles estão trabalhando, nessa peça publicitária que: ..."têm como objetivo gerar uma reflexão nas pessoas sobre o hábito de investir, estimulando os clientes a fazê-lo sempre e de maneira certa, proporcionando mais liberdade de escolha em suas vidas e apoiando a realização de sonhos e projetos futuros, mesmo que eles ainda nem saibam exatamente quais são neste momento". E assim poderemos um dia, bem protegidos em nossas finanças e condomínios, nos distanciarmos do mundo onde vivem somente as minorias despossuídas, os loucos de toda sorte, e todos os outros excluídos destas poupanças ou proteções financeiras. Para eles/elas, mesmo que artistas ou gênios em potencial, ficarão os viadutos, a rua, os ''abrigos'' ou o manicômio. Retomemos, então, o cuidado e a suavidade para com os que recebem muitos rótulos ou estigmas. Os que colocamos como marginais da história, seja na arte, na política ou na filosofia, acabam retornando de suas tumbas para nos assombrar com revelações de nossas essências universais. Van Gogh ainda deve continuar sendo um nome a re-conhecer, para além de quaisquer de suas ''loucuras''. E que se torne também um paradigma estético para uma nova ética sobre como pintar um outro mundo possível. Um planeta Terra cheio de luz, com muitos girassóis e trigais, sem os corvos macropolíticos que se alimentam de nossos escombros ou cadáveres midiatizáveis. E, então, continuo sonhando que os nossos cães, como já disse, ladrarão. E, obsoletas, por pura utopia ou sonho, nossas massas microrevolucionárias passarão. E, nós os psiquiatras, psicanalistas, psicólogos e outros mais modernos psis, cuidaremos, com respeito, ética e muita suavidade de outras ou nossas próprias loucuras... Van Gogh descansará em seu campo de trigo... bem longe da porta giratória dos bancos e dos banqueiros. Entra-se triste e se sai sempre mais triste de lá. A TRISTEZA DURARÁ PARA SEMPRE? copyright jorgemarciopereiradeandrade (favor citar o autor e as fontes em republicações livres pela Internet e outros meios de comunicação de massa) Fontes sobre o texto na Internet: Vincent van Gogh - https://pt.wikipedia.org/wiki/Vincent_van_Gogh Nova biografia- Afinal Van Gogh não se suicidou, foi vítima de uma bala perdida https://ipsilon.publico.pt/artes/texto.aspx?id=295239 Van Gogh não cometeu suicídio, revela nova biografia - https://www.correiodoestado.com.br/noticias/van-gogh-nao-cometeu-suicidio-revela-nova-biografia_128631/ Em nova campanha, Santander propõe reflexão às pessoa

https://exame.abril.com.br/marketing/noticias/em-nova-campanha-santander-propoe-reflexao-as-pessoas Para deixar o mundo mais organizado, artista com TOC rearranja quadros famosos https://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/arte/album-de-fotos/artista-suico-com-t-o-c-rearranja-quadros-de-pintores-famosos REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS INDICADAS - - LOUCOS EGRÉGIOS - Juan Vallejo-Nágera - Editora Guanabara Dois, Rio de Janeiro, RJ, 1979 - Van Gogh - O Enterro nos Campos de Trigo - Viviane Forrester , Editora LPM, Porto Alegre, RS, 1989. - O Poder Psiquiátrico - Michel Foucault - Editora Martins Fontes, São Paulo, SP, 2006. - Van Gogh - A Vida - biografia de 1095 páginas - Steven Naifeh e Gregory White Smith- Companhia das Letras - São Paulo - SP - 2012 (ano de início de sua leitura atenta e amorosa) LEIA TAMBÉM NO BLOG - Os Nossos Cães desColoridos - nossas ''depressões'' no Dia Mundial da Saúde Mental - http://infoativodefnet.blogspot.com/2011/10/os-nossos-caes-descoloridos-nossas.html




*Lívia Monteiro, nome fictício.

142 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Receba nossas atualizações

Bisbi Notícias: Rua Constituição 318, Zona 1 - Cianorte PR - (44) 99721 1092

© 2020 por bisbinoticias.com.br - Todos os direitos reservados

  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco